Leonardo Bastião, O Poeta Analfabeto - Documentário (2020)

Publicado em 20 de Março de 2020 por

O algoritmo do YouTube, que me recomenda muita coisa desinteressante, vez ou outra acerta. Por exemplo quando, em meados de Setembro de 2019, me sugeriu o vídeo Poetas Analfabetos do Sertão do Pajeú, que mostra um pouco da história e da figura de Leonardo Bastião, um poeta analfabeto que canta seus versos nessa região do interior pernambucano.

Gostei tanto do poeta, que selecionei o vídeo como destaque na edição do Curto Poema daquele mês. Aliás, para se inscrever na Newsletter e receber mensalmente vídeos, entrevistas, poemas e sugestões sobre poesia, basta deixar o email na página do Curto Poema.

Em 21 de fevereiro de 2020, estreiou, no YouTube, o documentário completo. O curta de 22min, além de alguns poemas declamado por Leonardo, apresenta um panorama da origem da forma que utiliza e uma breve crítica sobre sua obra. Assista!

Sobre a poesia de Leonardo Bastião

Apesar de analfabeto, o poeta de Itapetim, faz seus versos metrificados. Enquanto nós, letrados, sofremos para encaixar as palavras a fim de montar uma imagem poética que tenha conteúdo, ele parece não fazer esforço algum. Lembrei diversas vezes, ao assistir, de Octávio Paz. Antes de escrever este texto, fui consultar O Arco e a Lira, pois tinha certeza que havia algo relacionado por lá. Eis o trecho que me deparo:

Mas as crianças não têm consciência das palavras; tem consciência, muito viva, das frases: elas falam, pensam e escrevem em blocos significativos e têm dificuldade para entender que uma frase é feita de palavras. Todos aqueles que não sabem escrever bem apresentam a mesma tendência. […] Ao falar, ao contrário, os analfabetos fazem as pausas exatamente onde precisam fazê-las: pensam em frases.

Octavio Paz

Pensar em frases e não em palavras: uma possível lição desse poeta para minha poesia. Será esse o segredo para fazer versos que me levam a um lugar parecidíssimo ao que a poesia de Leminski me envia? Pergunto pois quando leio, por exemplo, este poema de Leminski:

aqui nesta pedra
alguém parou para olhar o mar
o mar não parou para ser olhado
foi mar para tudo que é lado

Paulo Leminski

Não vejo muita diferença de quando ouvi Bastião declamar

tudo que o homem estudou
para a natureza foi pouco
que ele não faz um coqueiro
se inventar fica louco
caçando a encanação
que leva a água do chão
pra botar dentro do coco

Leonardo Bastião

Minha maior admiração é a despretensão de suas palavras (“Pra fazer verso não carece de estudo, não. […] Eu não vivo de cantoria”), a mesma despretensão que vejo em Leminski (“fazia poesia / e a maioria saía / tal a poesia que fazia” …).

Da inspiração, diz que pode surgir de qualquer coisa que Deus tenha feito. Qualquer elemento da natureza dá um poema:

Ninguém é poeta, não. Eu posso fazer uma coisa e tudo mundo se agradar, mas eu estou pegando carona no que Deus fez. […] Eu pego carona. Eu pego carona num passarinho quando voa por aqui.

Leonardo Bastião

Para mim, Leonardo Bastião joga as frases despretensiosamente como se jogasse sementes na terra, esperando que germinem. Se não germinarem, “se errar, tanto faz”. Eis sua beleza e sua magnitude.

Sobre o documentário

Que alegria poder assistir a um documentário brasileiro e independente sobre poesia. Ainda mais em tempos como este, que há tanta violência contra o cinema brasileiro [1] [2] [3] [e tantos outros].

Contrariando o senso comum, de que o cinema brasileiro não produz obras de qualidade, o diretor Jefferson Souza ganhou alguns prêmios nacionais e internacionais:

  • Melhor Roteiro, no Viva Film Festival 2019 (Bósnia & Herzegovina, 2019);
  • Melhor Documentário em Curta-metragem, no Top Indie Film Awards (Japão, 2019);
  • Melhor Montagem, no Indo Global Film Festival (Índia, 2019);
  • Menção Honrosa, no XXIII International Ecological Film Festival TO SAVE AND PRESERVE (Rússia, 2019);
  • Melhor Filme, Melhor Filme Júri Popular, Melhor Direção e Melhor Fotografia, na categoria documentário curta, no 14º Encontro Nacional de Cinema e Vídeo dos Sertões, no Piauí (2019)

Uma curiosidade sobre o curta é que boa partes dos vídeos foram gravados pelo pai do diretor, Bernardo Ferreira, que mantém um canal no YouTube com inúmeros poemas recitados por Leonardo Bastião, além de inúmeras expressões artísticas de outros artistas da região.

Assistam.

Mais textos