Blog

Leia minhas opiniões, resenhas de livros, poemas e contos.

Textos

Perrengues de Autor Independente — Trocando a turbina com o avião voando

Pois é. Poderia ser a frase de abertura de um romance de Virginia Woolf , mas foi apenas uma decisão: eu decidi que eu mesmo publicaria meu livro. Era início de 2016 e eu não tinha a mínima noção de como funcionava o mercado editorial. Publiquei o Introversos: versos da cabeça de um introvertido na plataforma do KDP, da Amazon. Repetindo-me, fiz eu mesmo a capa, a ilustração, a organização, a edição, a revisão, e tudo mais.

Leia mais

Textos

O genocídio começou bem antes e deve continuar

Cada vez mais pessoas têm chamado Bolsonaro de genocida. Dada a sua atitude, é possível deduzir isso. Mas há outros genocídios em curso.

Leia mais

Poemas

#genocídio

Poema #genocídio, presente no livro “ao antropoceno brevíssimo aceno ou um pot-pourri pro povo rir”

Leia mais

Textos

A anedota do martelo — um mito fundador da classe média?

Se você nasceu na classe média, tenho certeza que, em algum momento, ouviu a anedota do martelo. Ou metáfora do martelo, como preferir. Conheça a história e as reflexões que tirei dela com base no livro de Jessé Souza.

Leia mais

Textos

Editorial — Uma escolha muito difícil

O segundo do livro do poeta Gustavo Dutra , chamado ao antropoceno brevíssimo aceno ou um pot-pourri pro povo rir , terá dois preços. Pela primeira vez na história de sua carreira não haverá um preço de centro. Em outras palavras, o leitor que tradicionalmente privilegiou a moderação terá que optar por um dos extremos. Leia um trecho do livro À esquerda, temos o preço de R$13 reais.

Leia mais

Textos

Me senti em casa com Caduceu, de Felipe Turner

Em 2019 fui à minha primeira FLIP. Vaguei meio perdido pelas ruas de Parati à procura de coisas que me chamassem a atenção, sem preocupação com a programação. Conheci, assim, várias pessoas e tive conversas muito interessantes. Numa das casas, com várias estandes de editoras independentes, encontrei o poeta Felipe Turner , que me mostrou seu livro, Caduceu . Conversamos um pouco. No outro dia, acabei aparecendo em uma mesa que ele participaria.

Leia mais

Textos

#defendaolivro - porque não taxar o livro

Já cantava a família Passos lá em Janeiro, fazendo escárnio da fala do presidente sobre livros didáticos que “a coisa está bem esquisita / um montão de amontoado de muita coisa escrita”. Não muito tempo depois, o presidente afirmou que não costuma ler o que assina, pois teria que ler & interpretar umas 20 páginas de decreto. O ex-Ministro da Educação cometeu inúmeros erros de ortografia nas redes sociais, além de não ter feito nada para melhorar o ensino no País.

Leia mais

Textos

Na prática, a teoria é outra: pandemia e luta de classe

Na prática, a teoria é outra. Ouvi muitas vezes essa frase e, em inúmeros casos, pude comprovar sua assertividade. Ao que observo, a teoria muitas vezes tende a ser dogmática, simplificada e nivelada por baixo. Nos dias de hoje, enquanto estamos presos em nossas casas — ao menos aqueles que podem e querem, pois sim, há muitos que gostariam e não podem, bem como quem pode e não há cristo que o faça querer —, tenho percebido novamente o poder dessa frase em diversas esferas.

Leia mais

Textos

O flamular do pano em Lundu, de Tatiana Nascimento (Padê Editorial)

Em Julho de 2018, como ainda é de costume, scrollava pelo feed do YouTube à procura de algo interessante para ocupar o tempo, quando seleciono uma entrevista da filósofa Djamila Ribeiro. No vídeo, ela e Lázaro Ramos discutem o seu mais recente livro à época, O que é lugar de fala? Num segundo momento, entra em cena Tatiana Nascimento , até então desconhecida para mim. Além de seu livro, Lundu , e da Padê Editorial, sua editora focada em autoras LBTs e negros, fala sobre seus projetos.

Leia mais

Textos

Sacrifiquem os Véios, não os Velhos — em favor da taxação de grandes fortunas

A demora na resposta do governo brasileiro à crise gerada pela pandemia do COVID-19 nos custará caro. Com mais sorte do que juízo, outros políticos se opuseram e se posicionaram para defender os brasileiros, ainda que a motivação possa ser mais de cunho político do que humanitário. Depois da sanção da Renda Básica Emergencial, temos que continuar pressionando o governo por outras medidas. Como a taxação de grandes fortunas já tramita no Senado, decidi escrever sobre ela, que pode gerar recursos importantes lá na frente.

Leia mais

Textos

Fui finalista do Prêmio Off Flip 2020, categoria Livro Infantojuvenil

Como nossa cultura não possui nenhum ritual formal de passagem, não delimitamos bem em que fase da vida estamos. Sei que sou adulto, mas ainda me sinto uma criança em vários aspectos. Talvez por isso nunca havia me passado pela cabeça escrever um livro para elas, não me sentia maduro o suficiente. Acontece que, há uns 7 anos atrás, comecei a trabalhar em uma empresa onde fiz muitas amizades. Entre elas, a que mais se espraiou foi a com Erich.

Leia mais

Textos

Leonardo Bastião, O Poeta Analfabeto - Documentário (2020)

O algoritmo do YouTube, que me recomenda muita coisa desinteressante, vez ou outra acerta. Por exemplo quando, em meados de Setembro de 2019, me sugeriu o vídeo Poetas Analfabetos do Sertão do Pajeú, que mostra um pouco da história e da figura de Leonardo Bastião, um poeta analfabeto que canta seus versos nessa região do interior pernambucano. Gostei tanto do poeta, que selecionei o vídeo como destaque na edição do Curto Poema daquele mês.

Leia mais

Textos

O espaço arquitetônico em 'À cidade', de Mailson Furtado (Jabuti 2018)

O vencedor do Prêmio Jabuti 2018, nas categorias Livro do Ano e Melhor Livro de Poesia foi À cidade , de Mailson Furtado : um poema de fôlego que fala sobre sua cidade natal. Ao longo do poema, o eu lírico canta o desenvolvimento, a mudança de ritmo, seu pertencimento e se afirma numa origem. Espaço em branco mostra o rasgo Meu interesse na obra começou com o fato do autor ter a autopublicado, o que contrariou o que acreditava até então, que só obras de editoras já reconhecidas participavam de tais premiações.

Leia mais

Textos

O cíclico em Girassóis Maduros de Léo Prudêncio (Editora Moinhos; 2017)

A natureza é, por excelência, cíclica. Que isto seja uma novidade eu duvido, mas há uma diferença crucial entre saber dessa informação e experienciá-la. Experienciar o cíclico não é estar preso nele. A esta prisão damos o nome de depressão. Tão pouco significa aguardar, com o coração nervoso, uma volta completa. Esta espera se chama ansiedade. Na minha opinião, a única forma sadia de experienciar o cíclico é através de uma espiral, onde o ciclo, por mais que pareça se repetir, é visto com outros olhos, de outro ângulo, de uma outra forma.

Leia mais

Poemas

Privilégios

a flecha afronta o ar peita destemida a pressão rasga em rota a resistência corta o corpo celestial ao agudo da ponta, todo mérito ao resto, torpor e descrédito avante voa cética à influência da força cinética

Leia mais

Poemas

Shamata

Ao leste, a textura púmblea e tóxica das nuvens carregadas que pairam no além-mar não refletem a monotonia petrólea do movimento do oceano e distorcem a realidade plana e clara do peito aberto do céu esgueirado A oeste, o amarelo árido da areia desértica das praias inóspitas marcam a pressão das pegadas de uma jornada caóticas e inesgotável sem destino Ao centro, o farol violáceo da consciência ergue-se vertiginosamente em meio ao mar sob a lâmpada áurea da consciência da consciência

Leia mais

Poemas

Coração em ruínas

percebo-me encolhido no centro geodésico da abóboda côncava de um salão lucilante de ilusões, erguida diante das galerias de opulência óbvia dos átrios atávicos à escuridão do meu peito resisto, mas assisto incrédulo com paciência frágil ao espetáculo mágico do trincar gradativo das colunas de mármore do que senti, cujas rachaduras evidentes, ora mesclam-se à inerência da rocha aceito ao esvanecer suave das escrituras proféticas de sonhos frustados pintadas à mão nas paredes sólidas através de processos análogos e cientificamente inexplicáveis das chuvas ácidas de choros doces de decepção e de raios solares sórdidos de esperança

Leia mais

Textos

Lições de criação poética com Adélia Prado

Recentemente, reassisti à entrevista da Adélia Prado ao programa Roda Viva , disponível no YouTube. Achei tão interessante e agradável, que não me contive na passividade de receptor. Separei, então, algumas frases que me estimularam a comentá-las. A sua poesia vem da tristeza? Eu adoro discutir criação poética. Não é a toa que criei o um barco ao mar. A primeira pergunta, abrindo o programa, já toca neste assunto.

Leia mais

Poemas

Cosmologia da Linguagem

Sinto os bilhões e bilhões de anos do universo na aspereza decrépita e irregular das cascas das árvores e no fulgor branco sobre o verde das primeiras folhas Vejo a evolução caótica e imprevisível do amanhã nos sons translúcidos oriundos do encontro das águas que correm por entre as montanhas gélidas de sabe-se-lá-onde Escuto às vibrações do crepitar da fogueira que celebra o amarelo-laranja do contínuo nascer e pôr do sol do ínfimo tempo da vida de cada coisa e do infinito tempo de vida de todas as coisas que morrem e revivem e estão em eterna mutação

Leia mais

Poemas

Princípio de Realidade

somem de mim os assuntos mergulhados em cloro e cândida, um id de brancura límpida, sem vida, sem bactéria, sem gosto, sem tom, sensato somem de mim os afrescos pintados à mão livre nas paredes que circunscrevem os domínios hostis do superego da imaginação somem de mim os resquícios moribundos de uma criança que outrora brincou nos jardins seguros do ego mudo para ser um ser humano melhor, mudando quem eu sou, como eu ajo, como eu falo, como eu olho, como eu sento e como eu como mudo conforme as corporações conduzem a valsa do crescimento e do faturamento bruto a fim de me adaptar ao trabalho — que é de onde vem o dinheiro que me sustenta mudo, me mutilo e me deformo, me faço caber dentro das expectativas inevitáveis do homem empregador

Leia mais

Contos

O pedinte

— Não sou bicho. Eu sou uma pessoa direita, séria. Aquela senhora, por quem passei na frente do Pet Shop, me disse que valho menos que o cãozinho dela. Isso não é verdade. Disse que sou bicho. Isso também não é verdade, de forma alguma. Sou um ser humano, por favor, tente entender, não sou bicho. Quando a parei na rua para explicar-lhe tudo, me olhava atravessado, como se eu fosse culpado antes mesmo de cometer um crime.

Leia mais

Textos

Correlacionar e atribuir significado — Reflexões sobre o humano

O ser humano tem duas características que o ajudaram a evoluir até onde estamos: a de fazer correlações e a de atribuir significados. No primeiro caso, as correlações permitiram assimilar conhecimentos de forma mais rápida, pois permitiu as metáforas, o que melhorou a comunicação. Já a segunda característica motivou o avanço, seja para construir uma cidade, seja para louvar um deus ou provar uma teoria pelo bem da verdade. Nosso cérebro está fazendo correlações e procurando significado o tempo todo!

Leia mais

Textos

Nigéria é o país que mais influenciou o Brasil — Pelo menos é o que afirma meu cabelereiro

Eu geralmente corto o cabelo com um senhor de seus quase setenta anos em um salão onde todos os cabeleireiros tem mais ou menos essa idade. É sempre muito bom conversar com ele. É uma pessoa mais experiente na vida, que fala sobre onde comer bem e barato, sobre as netas e como era São Pulo há anos atrás. Quem tem pouco cabelo como eu, que ainda novo já foi atingido por uma calvice precoce e um cabelo ralo no topo da cabeça, então cortar com um profissional experiente é sempre preferível: os erros são irreversíveis, diferente para quem tem cabelo comprido.

Leia mais

Contos

Júlio, o apegado ao ônibus

Júlio está sentado na mesa do computador, olhando seus emails. Ele costuma fazer isso vez ou outra, porque sempre há alguma coisa interessante para se comprar ou algum convite para festa que recebe por lá. Ah! Vocês precisam conhecer este garoto. Ele é uma dessas pessoas que só de olhar na rua faz você querer ser amigo dele. Da mesma forma como o cheiro de um perfume pode fazer você se interessar por uma pessoa, o jeito de agir e se vestir de Júlio fazem você querer ser seu amigo.

Leia mais

Contos

Júlia, a futura cineasta

Já estava no seu segundo ano, quando andava de ônibus aquele dia. O tempo passara muito rápido, só mais alguns poucos anos e estaria formada. Sempre simpatizou com a idéia de ganhar muito dinheiro só para esfregar na cara de todo mundo que foi — e muitos ainda são- contra, mas não valeria a pena, não. Aquela profissão era um sonho pessoal, não era uma vingança. Julia era uma garota adorável!

Leia mais

Contos

Geovani, o azarado otimista

Geovani está indo para a lotérica, arriscar a sorte mais uma vez. Ele joga desde os dezoito anos de idade, rigorosamente, todo mês na mega-sena. Chegou a ganhar uma vez, mas seu bilhete fora sido lavado no bolso da bermuda. O pior, a bermuda nem precisava ser lavada, colocou sem querer no cesto de roupa suja, por descuido mesmo. Depois de perceber o problema, realmente teve que concordar consigo mesmo, era novo demais para ter tanto dinheiro, provavelmente iria se perder na vida.

Leia mais

Contos

Alfreado na livraria

Chovia lá fora e Alfredo acabou preso dentro da galeria. Chovia aquela chuva grossa, de pingos pesados, do jeito que dá gosto de apreciar. Para passar o tempo, pois, hoje, ele foi à livraria. Não que fosse um costume, mas era algo que queria fazer com mais frequência. Nunca conseguiu tirar da cabeça que era mal compreendido ao dizer que gostava de livrarias. Todos sempre pensavam que era para parecer mais intelectual e conhecedor, mas não pelo fato dele gostar de livros.

Leia mais

Contos

Alceu, o filho do que ri sozinho

Aquele ali descendo a rua se chama Alceu. Sua mãe havia morrido logo após o parto, o que fez com que fosse para a cucuia o que restava do bom senso do pai. Mas Alceu sempre fora lúcido e muito racional; não deixava que as loucuras do pai o afetasse no seu dia a dia. Cresceu e se desenvolveu até mais que os amigos do colégio, cujos pais tinham dó por Alceu “não ter uma família de verdade.

Leia mais