um barco ao mar

Meu nome é Gustavo Dutra . Eu comecei a escrever poesia não lembro bem como, nem quando. Apenas tenho lembranças de escrevê-las. A medida em que o tempo foi passando, a jornada do poeta começou a pesar e, só, como todo poeta, fui atrás de uma poesia mais madura e mais minha.

Para atingir esse objetivo, será necessário visitar inúmeros poetas e poetizas; será necessário ler críticos de poesia; assistir a entrevistas, a filmes; será necessário entrar em contato com a linguística, a pintura, a escultura, a psicologia e a psicanálise; será necessário descobrir coisas novas.

Como dizia Ferdinand de Saussure , pai da linguística e do estruturalismo, a língua não é um barco no estaleiro, mas um barco lançado ao mar. O poeta precisa seguir a fluidez da língua e usá-la a seu favor. Embarque comigo na jornada e vamos ver o que acontece em alto mar!